Assembleia Geral da ICORN

Ljubljana 21-24 de maio de 2014

Índice:

  1. Ata da Assembleia Geral de 2014
  2. Lista de Cidades Membros e representantes
  • Lista de anexos

Quarta-feira, 21 de maio

Recepção de boas-vindas e jantar no Museu da Cidade de Ljubljana.

Palestras de Blaz Persin (Diretor do Museu da Cidade), Zoran Jankovic (Prefeito de Ljubljana), Peter Ripken (Presidente em Frankfurt do Conselho da ICORN) e Girma Fantaye (Etiópia/Ljubljana).

 

Quinta-feira, 22 de maio

Projeção do filme sobre a cidade de Ljubljana.

Saudação de boas-vindas à Assembleia Geral da ICORN de 2014 pela anfitriã da assembleia, a Cidade de Refúgio de Ljubljana: Uros Korencan (Diretor do Teatro de Bonecos, sede principal), Marjan Strojan (Presidente do PEN esloveno) e Tjasa Ficko (Vice-Prefeito de Ljubljana).

Peter Ripken (Presidente do Conselho da ICORN) expressou sua gratidão e anunciou formalmente a abertura da assembleia.

Larry Siems (PEN Internacional) foi eleito Presidente da Assembleia.

Marianne Hovdan (Coordenadora da Administração, ICORN) e Cathrine Helland (Coordenadora de Comunicação, ICORN) foram eleitas secretárias da assembleia.

Uma breve apresentação de todos os participantes, incluindo pessoal, representantes, observadores, escritores e convidados.

Saudações de Escritores Convidados da ICORN

  • Nasrin Madani (Irã/Växjo): Discurso sobre liberdade de expressão no Irã, onde escritores precisam de permissão para publicar do Ministério da Cultura e Direitos Islâmicos. Nasrin compartilhou sua experiência de visita a Aushwitz durante a última reunião da ICORN e falou sobre como a história é censurada no Irã pela falta de informações sobre o holocausto nos livros de História iranianos. Ela agradeceu aos políticos na Suécia que, ao aderir ao projeto da ICORN, sabem o significado real da palavra democracia.
  • Fadi Abou Hassan (Síria/Drøbak): Discurso sobre como ele publica seus cartuns.
  • Dessale Berekhet (Eritreia/Bø): Discurso sobre o temor às pessoas de seu próprio país em vez de ao governo, devido à falta de instrução.

Confirmação de que a reunião foi adequadamente convocada.

Mudança de pauta: Sessão estratégica foi passada para depois da pausa para o café.

AVISO DE CONVOCAÇÃO E PAUTA ACEITOS PELA ASSEMBLEIA.

 

Item III da Pauta: Relatório da Comissão de Escritores na Prisão do PEN Internacional (WiPC)

Apresentado por Cathy McCann (Pesquisadora, Comissão de Escritores na Prisão do PEN Internacional na Ásia/Oriente Médio).

O relatório completo e a apresentação podem ser encontrados como anexos a esta ata.

  • Cathy McCann leu um relatório sobre as condições da liberdade de expressão, apresentando casos chave nos quais ela vem trabalhando recentemente na China, Afeganistão, Paquistão, Sri Lanka, Nordeste Africano e Oriente Médio.
  • Em 2013, mais de 900 casos de perseguição de escritores foram observados pelo PEN. O número tem ficado estável nos últimos anos. O PEN menciona em especial as áreas/países do Irã, Iraque, Afeganistão, Síria e Nordeste Africano, mas também na Rússia, Bielorrússia e Ucrânia, vemos uma série de novas leis que restringem seriamente a liberdade de expressão.
  • O trabalho da ICORN e do PEN é importante no Oriente Médio e no Nordeste Africano. Cathy espera receber mais candidaturas vindas dessas áreas, pois as necessidades de proteção são grandes.
  • Ela falou sobre a colaboração entre a ICORN e o PEN no Iraque, mencionando especialmente como ela trabalhou para ajudar o ex escritor convidado em Skien, Basim Mardan.
  • Sida patrocinou a construção de capacidade para os centros do PEN, apoiando o estabelecimento de redes regionais dos centros do PEN. Após a Reunião da Rede da ICORN em Cracóvia e a Conferência do PEN em Reykjavik em 2013, um Centro do PEN foi criado em Myanmar, para apoiar novos escritores.

Elizabeth Dyvik (Diretora do Programa, ICORN) expressou que não se pode exagerar a importância do bom relacionamento e da cooperação com o PEN Internacional:

  • A avaliação pela WiPC das candidaturas da ICORN é muito importante: a ICORN compra capacidade de pesquisa e aconselhamento de especialistas do PEN para evitar duplicação desse trabalho. Algumas das candidaturas vêm de pessoas já conhecidas do PEN. Caso contrário, o PEN usa sua rede para verificar as candidaturas, o que envolve muito trabalho.
  • Elisabeth relata um enorme aumento nas candidaturas para a ICORN em 2013. No início de 2014, a ICORN assinou um novo contrato com o PEN Internacional, ajustando-se ao crescimento nas candidaturas.
  • A ICORN usa as avaliações do PEN Internacional na apresentação de escritores às cidades membros.

Comentários da assistência:

  • Katrin Dittner (Hanover): Podemos fazer um minuto de silêncio por todos que perderam a vida na luta pela liberdade de expressão?
  • Otba Fathalla (Iraque/Stavanger): Às vezes critico a organização, não porque eu seja contra a organização, mas porque espero melhorias.

A assembleia fez um minuto de silêncio por todos que perderam a vida na luta pela liberdade de expressão.

RELATÓRIO DA WiPC do PEN ACEITO PELA ASSEMBLEIA

Fadi Abou Hassan apresentou 6 de seus cartuns na webpage Cartoon Movements (http://www.cartoonmovement.com/p/2628). Os escritores partiram para o workshop em Town Hall.

 

Item I da Pauta: Relatório da ICORN de 2012-2013

Apresentado por Helge Lunde (Diretor Executivo, ICORN).

O relatório completo pode ser encontrado como anexo a esta ata.

  • Situação de colocações: 29 escritores assumiram residências nas cidades membros da ICORN em 2012-2013 e muitos escritores já chegaram em 2014. Muitos escritores sírios serão colocados em 2014. O Irã é o segundo país em número de candidaturas.
  • Candidaturas: Houve um aumento dramático nas candidaturas durante 2013. Existem dois motivos principais para o número crescente de candidatos à ICORN: 1. Guerra na Síria, 2. A ICORN está ficando mais conhecida.
  • Expansão geográfica: A ICORN precisa se expandir para conseguir proporcionar um refúgio seguro para mais escritores em risco. A organização está atualmente trabalhando em cidades dentro da Europa, América do Sul, Austrália, América do Norte e África do Sul.
  • Expansão do escopo: A ICORN foi criada em 2006 por algumas das cidades na rede original, que começou há 20 anos. Desde então, a ICORN expandiu seu alcance para incluir jornalistas, cartunistas, cantores/compositores, editores, tradutores, bem como poetas, escritores de ficção e não-ficção, cineastas e dramaturgos. Duas tendências diferentes contribuíram para isso: os gêneros estão se confundindo e os escritores convidados da ICORN com frequência trabalham com vários gêneros (ex.: jornalista, blogueiro e poeta). Iniciativas importantes surgiram, principalmente na Escandinávia, para abrigar também artistas e músicos que vivenciaram perseguição. A ICORN foi autorizada pela última Assembleia Geral a cuidar disso, o que vem fazendo.
  • Cooperação com a União Europeia: A ICORN explora a cooperação com a Comissão da União Europeia sobre os programas de cidades de refúgio da União Europeia. O EIDHR (Instrumento Europeu para a Democracia e Direitos Humanos) está trabalhando na construção de uma rede de cooperação global para iniciativas para Defensores de Direitos Humanos (HRDs) em risco. É um grande superposição com a ICORN. Isso será falado com mais detalhes mais tarde.
  • Centro de Administração/governança: A atividade essencial do Centro de Administração da ICORN é qualificar candidaturas de escritores, recrutamento e sustento de cidades membros, garantir uma boa combinação entre a cidade e o autor e fazer o acompanhamento de cidades e escritores. Fortalecer a governança da ICORN é uma prioridade. Trata-se de uma organização democrática em que os membros decidem como a organização deve se desenvolver. O Conselho da ICORN, consistindo de representantes das cidades membros, funciona como representante dos membros no intervalo entre as assembleias gerais bianuais.
  • Financiamento: Os principais suportes financeiros são dados pelas próprias cidades membros. Assim, o trabalho feito em cada cidade é o financiamento mais valioso para a organização/rede e explica como a ICORN é capaz de fazer a colocação de escritores. Contudo, também há a necessidade de haver mais financiamento para a coordenação e a administração.

O maior desafio quando se trata de financiamento é encontrar financiadores que desejem pagar custos essenciais de longo prazo. A maioria dos fundadores está solicitando submissão de projetos e longos relatórios. A ICORN tem que aceitar e se adaptar a isso, mas a Administração (isto é, fundadores chave estáveis como o município de Stavanger e Sølvberget, Centro Cultural de Stavanger, Fritt Ord, Sigrid Rausing Trust, Ministério de Relações Exteriores da Noruega e financiamento de custos essenciais/de projetos de 3 anos). As taxas de associação são importantes já que perfazem 11% da receita e podem ser usadas para cobrir custos essenciais. A ICORN solicitou um apoio à rede, por meio do programa de financiamento cultural da União Europeia, o Creative Europe. Esperamos feed-back em agosto de 2014.

  • Promoção e comunicações: Existem muitas cidades membros suecas. A Suécia está mostrando uma boa tendência no recrutamento de cidades. Até o final deste ano, a Suécia provavelmente estará em posição de liderança, ultrapassando o número atual de 12 cidades membros na Noruega.

A ICORN, as cidades membros e os escritores convidados organizaram e participaram de uma ampla gama de eventos. O projeto de promoção entre as cidades membros, Shahrazad – stories for life, terminou em 2012. A ICORN está trabalhando com as cidades para encontrar novos projetos, a fim de impulsionar a promoção de escritores. O novo programa de financiamento Creative Europe oferece financiamento para Projetos de Cooperação. É uma grande oportunidade para as cidades trabalharem juntas, para fazer uso dos recursos dos escritores convidados, expor e promover os escritores convidados nas cidades e além delas.

  • Parcerias e cooperação: As cidades membros da ICORN são de altíssimo valor para a rede, cada cidade membro significa muito para o trabalho e o desenvolvimento da organização. A natureza da ICORN não é um curto circuito. A única maneira de continuar a trabalhar é sustentar, identificar, fazer novas parcerias e verificar iniciativas de cooperação que possam impulsionar ainda mais o trabalho da rede. Helge ressaltou a importância da cooperação com o PEN Internacional e os centros do PEN.

Comentários da assembleia:

  • Paul Henrik Kielland, Tromsø: gostaria de ouvir mais sobre o trabalho que a ICORN/as cidades estão fazendo com procedimentos de colocação.

Helge Lunde: É um desafio emocional extremo trabalhar com gente de verdade. Gostaríamos de ser mais rápidos, mas o processo da candidatura à colocação quase sempre é demorado. É frustrante. Em emergências reais, podemos trabalhar mais rápido e colaborar com embaixadas e outras organizações. Mais candidaturas significa uma lista de espera mais longa. Porém, sem querer ser cínico, precisamos que alguns candidatos para as cidades sejam escolhidos. Mas, neste momento, a necessidade por mais cidades é mais urgente.

  • Per Bergström, Malmö: Sobre a síndrome da pós-colocação, temos alguma estatística sobre quantos voltam, quem pode ficar e o que acontece com eles?

Helge Lunde: Cada vez mais escritores conseguem criticar seus países natais com mais eficácia do que quando viviam neles. Isso é vital. Mas isso também significa que fica difícil para eles voltarem para casa. A ICORN está cada vez mais aumentando seus esforços para ajudar essa situação. É importante informar e preparar os escritores convidados e as cidades para o tempo posterior à colocação imediatamente após a chegada à cidade. Os candidatos são sempre lembrados que isso fica por conta deles. Existe um equilíbrio delicado entre ser responsável por suas vidas, enquanto a cidade e a ICORN trabalham para ajudar dentro do sistema e com parceiros que possam oferecer soluções alternativas. Não é possível ter apenas uma estratégia pós-colocação. Precisamos criar o máximo de possibilidades, adaptadas à formação e às necessidades de cada escritor. O modelo norueguês é singular e dá aos escritores residência permanente desde que sejam aceitos na quota de refugiados. A Suécia também é um modelo interessante, em que os escritores convidados podem ficar por mais dois anos ou permanentemente, se demonstrarem que podem obter trabalho que pague no mínimo o valor do seguro social.

  • Nikolai Frank, Odense: Na preparação para o trabalho sobre o plano estratégico da ICORN, existe algo que possamos aprender sobre a visibilidade e a expansão na Suécia?

Helge Lunde: Um dos motivos para o movimento positivo na Suécia é a cooperação entre muitas organizações como o Conselho de Arte Sueco, o PEN sueco e a forma como as cidades membros suecas trabalham com o departamento de imigração, o Estado e os municípios, também em relação a apresentar soluções de colocação. Esperamos poder aprender com as experiências na Suécia e divulgar isso para outros países. E talvez usar isso para revitalizar as cidades de refúgio na Dinamarca.

  • Øivind Pedersen, Lillehammer: Gostaria de completar a lista de todas as cidades membros a serem incluídas no relatório da ICORN.

O RELATÓRIO DA ICORN DE 2012-2013 ACEITO PELA ASSEMBLEIA

Item II da Pauta: Resultados Financeiros da ICORN de 2012-2013

Apresentado por Helge Lunde e Marianne Hovdan.

Marianne Hovdan apresentou os resultados financeiros para 2012-2013. Algumas mudanças foram feitas no Centro de Administração em 2013. Cathrine Helland foi contratada como Coordenadora de Comunicação em regime de tempo parcial e assumiu algumas das tarefas de Marianne. Marianne Hovdan foi contratada como Coordenadora de Administração em regime de tempo integral e desde então tem feito mais trabalho financeiro a partir de 2013.

  • Fundo de Reserva da ICORN: Se nada mais der certo, a ICORN deseja ter uma reserva de três meses que cobrirá as despesas do centro de administração nesse período, numa conta separada (não incluída nos resultados de 2013).
  • Fundo de Emergência da ICORN: O dinheiro do Fundo de Emergência é usado pelos escritores que já foram aceitos por cidades, mas estão muito necessitados de recursos antes da colocação. A verba é fornecida por um banco norueguês. Parte do dinheiro vai para pagamentos de horas extras em casos urgentes e para tradutores, se os candidatos não falarem inglês. A ICORN tem que fazer um pedido para um novo período de verbas para o fundo de emergência.
  • 2012: Terminou com resultado positivo, 300.000 coroas norueguesas. Sugestão de transferência para o fundo de reserva.
  • 2013: o superávit realizado foi de 100.000 coroas norueguesas. Sugestão de transferência para o fundo de reserva.
  • A ICORN não pode ter um superávit grande demais por causa dos financiadores.

Comentários/perguntas:

  • Paul Henrik Kielland, Tromsø: Sobre o relatório, o resultado financeiro não é tão importante para uma ONG como a ICORN. O propósito e as perspectivas sobre os objetivos da organização são. A ICORN talvez deva fazer uma atividade com base no relatório financeiro. Serão necessários resultados globais, mas transformar parte deles para mostrar mais resultados.

Marianne Hovdan: Em 2013, começamos a marcar as diferentes atividades com números de projetos para ter uma visão global melhor da destinação do dispêndio e da correspondência com nossas áreas de foco. Então, estamos tentando, até agora em pequena escala, mas é desafiador por causa da estrutura/natureza do relatório financeiro da ICORN.

TRANSFERÊNCIA DO SUPERÁVIT DE 2012 E 2013 PARA FUNDO DE RESERVA APROVADA PELA ASSEMBLEIA

RESULTADOS FINANCEIROS DE 2012-2013 ACEITOS PELA ASSEMBLEIA

Item IV da Pauta: Orçamento da ICORN de 2014-2015

Apresentado por Helge Lunde.

2014

  • A situação financeira e o orçamento continuam segundo as mesmas linhas dos anos anteriores.
  • A ICORN precisa encontrar um equilíbrio sólido entre financiamento independente e governamental. A ICORN aceita muito financiamento governamental porque é dado como custo básico, isto é, com muito poucas restrições sobre a forma como será despendido. Mas ainda precisamos de um financiador mais estável para custos básicos.
  • De janeiro a abril de 2014, a ICORN promoveu o pessoal da organização para quatro cargos (de 3, 5-4) para alocar mais financiamento para a ICORN no futuro.
  • A ICORN está solicitando fundos à União Europeia/Creative Europe e espera que a candidatura com o apoio da rede seja bem-sucedida. Isso teria um grande impacto sobre o orçamento geral para os próximos dois anos.
  • A ICORN continuará a trabalhar com a SIDA, que seguirá apoiando as atividades básicas para a construção de capacidades. A principal verba da SIDA está acabando em 2015. A ICORN está convidada para uma reunião em setembro de 2014 para discutir a continuação da parceria. A SIDA tende a se concentrar em poucas iniciativas e lhes dá mais em vez de menos para mais organizações.

O ORÇAMENTO PARA 2014 É APROVADO PELA ASSEMBLEIA.

2015

– Houve um pequeno aumento no orçamento para 2015. O orçamento de 2015 será consolidado com a situação real de financiamento de custos e projetos básicos. Se o financiamento não estiver garantido no outono de 2014, precisaremos cortar os orçamentos.

O ORÇAMENTO PARA 2015 É APROVADO PELA ASSEMBLEIA.

Os participantes da Assembleia participaram do Mercado de Ideias.

Relatório das sessões do workshop do Mercado de Ideias:

A: Estratégias de saída: Novos começos.

Resumo apresentado em plenária por Elisabeth Dyvik.

Moderado por Elisabeth Dyvik e Fedrik Elg (Milmö).

A apresentação de Fredrik Elg pode ser encontrada como anexo a esta ata.

  • Houve algumas boas discussões durante o workshop sobre os escritores que não podem voltar ou não conseguem se sustentar onde estão ficando. Os escritores convidados precisam ser capazes de ganhar dinheiro de uma forma digna.
  • A apresentação de Fredrik Elg foi seguida por um exemplo de uma escritora convidada na Suécia, Parvin Ardalan (Irã/Malmö), que conseguiu obter um residência na Suécia depois de fazer um plano de negócios, mostrando que ela conseguiria se sustentar.
  • Discutir planejamento, construir redes, entrar em contato com pessoas etc. Cada escritor precisa ter um plano individual, porque cada caso é um caso.
  • Emadi Mohsen (Irã/Cidade do México) assumiu uma vida nômade, aprendeu espanhol e informática para poder trabalhar como professor.
  • Alguns optam por pedir proteção como refugiados, apesar disso apresentar desafios. Com o status de refugiado, pode haver uma perspectiva de mais longo prazo e menos pressão nos dois anos concedidos pela ICORN.
  • A idade conta. Há uma diferença entre ser mais velho e estar próximo da aposentadoria e jovem e iniciando uma carreira quiçá longa.

Comentários/Perguntas

  • Otba Fathala (Iraque/Stavanger): Algumas questões são muito difíceis de serem publicadas (gênero, sexo), então a ICORN deve adotar esse tipo de trabalho.
  • Julia (Honduras/Jönköping’s Län): A ICORN pode encontrar alguém para traduzir o trabalho dos escritores convidados?

B: Liberdade de expressão.

Resumo apresentado em plenária por Danuta Glondys (Cracóvia).

Moderado por Danuta Glondys.

  • Palestra de abertura proferida por Megan McDowell.
  • Reflexões sobre o que aconteceu nas editoras nos últimos 25 anos, a virada digital.
  • Inclusão de línguas menores em traduções para o inglês e depois para outras línguas menores.
  • Cada vez mais edições são online: editoras de e-books.
  • Muito foco na experiência e cooperação com apenas um editor em cada país. Clubes do livro, onde as pessoas possam discutir literatura em grupos fechados.
  • Easterine Kire (Nagaland/Tromsø) falou sobre a ICORN que lhe deu presentes visíveis e invisíveis. O presente da objetividade, mas isso a privou de seu público. Ela o encontrou nas mídias sociais. Ela escreveu 25 livros que foram lidos por públicos espalhados pelo mundo. Ela também estimula que os escritores cooperem com artistas de outras áreas, como músicos.
  • Ali Amar (Marrocos/Bruxelas) nos lembrou que apenas 14% das pessoas no mundo vivem em sociedades que gozam de liberdade de expressão. Ele criou uma revista, Le Journal, que foi fechada pelo governo marroquino.
  • Mezgeb Habtewold (Etiópia/Estocolmo) começará a transmitir sua estação de rádio em junho de 2014. Isso influenciará bastante as pessoas em seu país natal e quem sabe inspirará as pessoas a promover uma mudança. Ele acha que o rádio parece ser a forma mais segura e simples de divulgar notícias em países autoritários.

C: Artes da Hospitalidade.

Resumo apresentado em plenária por Adrian Blum.

Moderado por Mary-Ann DeVlieg (freeDimensional).

A apresentação de Mary-Ann DeVlieg pode ser encontrada como anexo a esta ata.

  • Mary Ann dialogou com Naeimeh Doostdar (Irã/Malmø), representando uma típica conversa/entrevista que deve ocorrer quando um escritor convidado chega em uma cidade de refúgio, para desvelar desejos, desafios e possibilidades.
  • Mary Ann perguntou sobre as viagens de Naeimeh antes de vir para Malmö. Ao entrevistar Naeimeh, Mary Ann mostrou o que é importante considerar antes/depois de convidar um escritor convidado e quando ajudar na chegada: se tem muitos filhos, se há necessidade de atendimento médico, personalidade, se passaram por muitos perigos, qual o tamanho do público do escritor, se a possibilidade de ser colocado perto de casa é melhor do que vir para a Europa, se eles têm visto ou se podem obtê-lo, se o artista costumava trabalhar em equipe ou sozinho, se há a possibilidade de o artista trabalhar na cidade, se o escritor corre perigo etc.
  • Existem questões políticas, dilemas para decidir quanto a pedir asilo ou não, passar de ser conhecido para ser um estranho, novo idioma, nova cultura, expectativas de trabalho/escrita, apesar de a criatividade ser muito mais fácil do que em seu país natal. É importante criar um plano claro com o anfitrião, esclarecer as expectativas, a cidade e o escritor devem pensar em assinar um contrato/acordo.
  • Nesse caso, a cidade se esforçou muito para tornar a escritora um membro da comunidade literária, a apresentou a jornais e festivais, fez com que ela recebesse um prêmio etc. Mas isso nunca afastou as preocupações dela. Ela queria ter um cronograma mais organizado, em vez de liberdade e escolhas. Também é importante apoiar os familiares.
  • Qualquer necessidade de ajuda psicológica quase sempre leva tempo para acontecer.
  • Na Noruega, os escritores convidados têm a obrigação de assistir aulas de norueguês.
  • O escritor pode mudar de ideia e decidir deixar a cidade de refúgio de um dia para o outro.
  • Em Stavanger, seis dos nove escritores convidados ainda estão vivendo lá. É importante criar um ambiente de apoio.
  • As pessoas devem respeitar o histórico dos escritores. Eles estão lá por causa de suas profissões e não são objetos de exposição.
  1. Creative ICORN

Resumo apresentado em plenária por Mateja Lazar e Cathrine Helland.

Moderado por Mateja Lazar e Cathrine Helland.

A apresentação pode ser encontrada como anexo a esta ata.

Também se podem encontrar informações no site na Comissão Europeia (http://ec.europa.eu/culure/index_en.htm).

  • Apresentação das possibilidades que a Creative Europe pode criar para as cidades membros e escritores convidados.
  • Mateja Lazar estimula todas as cidades e escritores da ICORN a buscarem a assistência e o apoio da Creative Europe para suporte aos projetos.
  • Raffaela Salierno (Barcelona) apresentou um projeto de cooperação já bem desenvolvido para o financiamento da União Europeia para as cidades: Bits of Freedom, cidade de refúgio de Barcelona e o PEN catalão serão os principais parceiros e solicitarão o apoio do Projeto de Cooperação em outubro deste ano. Eles já têm alguns parceiros na cidade, mas ainda receberão outros de braços abertos.
  • Dagmar Käse (Tallinn) apresentou um programa de mobilidade para artistas, procurando parceiros para um programa de residência internacional.
  • É possível para as cidades de fora da Europa se juntarem aos projetos, mas elas não podem compor os três ou seis parceiros principais compulsórios, só podem aderir como parceiros adicionais.
  • Cathrine estimula o contato com ela para depois serem postos em contato com outras pessoas que também desejem aderir a projetos.

Evento noturno

A assembleia coincidiu com a edição 2014 do Overflight Theatre Festival. Todos os participantes foram convidados para a abertura do festival naquela mesma noite, com uma performance especialmente encomendada chamada Hell is.Empty. A peça é baseada em textos e contribuições de, entre outros, quatro escritores convidados da ICORN: Girma Fantaye, Jahangir Akash (Bangladesh/Tromsø), Naeimeh Doostdar e Mansur Rajih (Iêmen/Stavanger). A peça é dirigida pelo coreógrafo Marko Mlacnik. Foi uma performance resiliente sobre o conceito de liberdade e as perspectivas dadas pelos escritores representados. Foi seguida de um jantar no jardim do teatro.

 

Sexta-feira, 23 de maio

Enquanto a delegação continuava com a agenda formal da Assembleia Geral no Teatro de Bonecos, os escritores convidados foram convidados a participar do workshop realizado no Mladinsko Theatre, onde se encontraram com outros escritores presentes no festival. Eles também assistiram a peça Damned be the traitor of his homeland, uma performance do Festival Overflight dirigida por Olivier Frljic.

Apresentação e boas-vindas por Peter Ripken.

 

Item V da Agenda: Plano Estratégico da ICORN para 2014-2018

Apresentado por Peter Ripken.

O Plano Estratégico pode ser encontrado como anexo a esta ata.

Peter Ripken apresentou o Plano Estratégico da ICORN para 2014-2018 à Assembleia Geral, afirmando sua importância e influência para o desenvolvimento futuro da ICORN. Ele declarou que é um documento ambicioso que mapeia determinadas características que vêm sendo debatidas nos últimos anos, a saber, a expansão do escopo para incluir outros tipos de artistas e a expansão geográfica, principalmente fora da Europa. O plano propõe um período de teste de quatro anos sobre a expansão do escopo.

 

Expansão geográfica

  • A expansão geográfica delineada pode parecer ambiciosa, mas, sem crescimento, a ICORN não será capaz de lidar com as tarefas futuras.
  • A ICORN tem uma base sólida na Escandinávia e em países europeus. Para ser capaz de ajudar mais escritores, a ICORN precisa também se expandir e recrutar cidades fora da Europa. Já tem a Cidade do México e anteriormente Miami foi uma cidade membro. Presentes na assembleia, estão vários representantes que estão trabalhando para tornar suas cidades locais cidades de refúgio da ICORN.
  • Apresentações de representantes de cidades membros que estão aderindo:

John Rich (Guild Literary Complex/Chicago): ficou sabendo da ICORN há cerca de quatro anos e quer fazer o mesmo trabalho em Chicago. Espera aprender com as experiências dos membros. Organizações municipais e culturais estão envolvidas e desejam participar da rede.

Kate Klein (Universidade de Ithaca/Ithaca, Nova York): Ithaca ainda não é membro da ICORN, mas gostaria muito de se tornar uma. Eles começaram a trabalhar com escritores perseguidos há 13 anos. As universidades são parceiras e oferecem oportunidades para os escritores. Eles receberam 5 escritores. Os escritores convidados que vêm para Ithaca para um programa de residência precisam saber falar e dar aulas em inglês.

Vida Cross (Milwaukee): Deseja se ornar membro da ICORN e construir um modelo de inclusão comunitária dentro da comunidade existente. Espera abrigar um escritor já no próximo ano.

Henry Reese (City of Asylum/Pittsburg): Dirige um modelo comunitário de cidade de asilo. A cidade se tornou um novo lar para o escritor e um lugar melhor para a comunidade. Gostaria de continuar a construir essa relação com a ICORN. Convidou as cidades membros e os escritores para virem visitar/ficar.

Zita Tinoco (Bogotá): Advogada e defensora de direitos humanos. Está aqui para implementar o projeto em Bogotá. Uma parte da cidade de Bogotá, o centro cultural da cidade, está muito interessada no projeto. Porém, precisa do apoio de outras entidades e está em contato com a sociedade internacional. Também está tentando obter o apoio da Universidade de Bogotá onde sua filha está ensinando línguas. Agradeceu pela oportunidade e espera que esse projeto seja implementado em Bogotá, onde é muito necessário.

Michael Smith (África do Sul): Está tentando atrair cidades sul-africanas para o projeto. A ICORN é um projeto do coração, não da cabeça. O imperativo de aderir é que o mundo abrigou seu povo durante o apartheid. É a chance deles de retribuir. Interessado em segurança jornalística e feliz de ver a discussão sobre a expansão do escopo. Os escritores líderes precisam ser protegidos quando ficam na mira. A Cidade do Cabo e a muito menor Stellenbosch e Joanesburgo são dinâmicas e criativas. Estão fazendo parcerias com o PEN sul-africano e as Universidades de Stellenbosch e Joanesburgo, bem como com as organizações defensoras da liberdade de expressão. O apoio da comunidade é a chave para sustentar o projeto. Espera que pelo menos a Cidade do Cabo tenha algo de positivo para relatar até o final do ano.

Isabel Ferrari (Casa de Rousseau/Genebra): A ICORN é um projeto em evolução para abrigar escritores na Casa de Rousseau, uma construção na cidade antiga que pertence ao Estado. Espera ver um projeto mais amplo, uma casa literária na Suíça francesa, mas que também debata questões político-sociais. Seria natural ter escritores exilados abrigados lá, já que o próprio Rousseau foi um escritor exilado. Precisa de vida e dinamismo. Também está fazendo lobby para convencer o Estado a aderir à ICORN; talvez em 2015 Genebra venha a aderir. Deveria tentar convencer mais cidades suíças a aderir.

Sylvie Debs (CABRA/Brasil): Criará uma organização não governamental, com o objetivo de expandir o projeto da ICORN e negociar com instituições. A primeira reunião foi em janeiro, Elisabeth Dyvik estava presente, assim como o PEN. Decidiu criar uma OGN, a CABRA. Trabalhará com as universidades e instituições literárias, não com o governo. Fez um tour por Ouro Preto, Curitiba e Rio com o escritor convidado Mohsen, que falou de suas experiências. A imprensa ficou muito interessada e uma das universidades concordou em oferecer uma vaga para um escritor convidado. Espera conseguir oportunidades para mais escritores convidados falaram de suas experiências. O Brasil está no momento comemorando 50 anos do fim da ditadura e as pessoas estão prontas para falar de liberdade de expressão. Convida as cidades da ICORN a mandarem seus escritores convidados para o Brasil.

 

Questões financeiras

EIDHR: Apoio a Defensores de Direitos Humanos (DRHs)

Por Sophie Kammerer (EIDHR).

A apresentação de Sophie Kammerer pode ser encontrada como anexo a esta ata.

  • Sophie Kammerer do European Instrument for Democracy & Human Rights (EIDHR) apresentou o trabalho do EIDHR em apoio a Defensores de Direitos Humanos. O EIDHR é interessante para a ICORN porque eles dão apoio a DRHs em risco. Até agora, o EIDHR vem ajudando principalmente DRHs fora da União Europeia.
  • Nos novos regulamentos do EIDHR, incluímos necessidades urgentes de protesto e também apoio e acesso a abrigos de mais longo prazo. Haverá oportunidades de cooperação com a ICORN.
  • Os novos regulamentos tornam a União Europeia mais flexível e menos burocrática.
  • O EIDHR está no momento desenvolvendo um banco de dados para organizações que trabalhem para defensores de direitos humanos necessitados de apoio financeiro e abrigo. Isso inclui acesso a soluções de abrigo de longo prazo. Facilita que ONGs trabalhem juntas e implementem uma série de atividades para apoio urgente.
  • Em 2014, o EIDHR lançará a convocação para um mecanismo de apoio a defensores de direitos humanos, com uma estrutura financeira de 15 milhões de euros para fortalecer a coordenação entre iniciativas de defesa de direitos humanos e pessoas envolvidas que as apoiem. Poderia haver um foco especial sobre determinados grupos ou áreas e, na América do Sul, eles têm áreas de foco dentro das quais eles podem solicitar apoio. Encorajou a todos a contatarem os pontos nacionais na União Europeia/chamadas locais para encaminharem propostas para investigar se o projeto pode ser apoiado. Por exemplo, o EIDHR pode financiar projetos na Eritreia, mas não pode fazer chamadas para propostas na Eritreia, porque é arriscado demais para as pessoas envolvidas.
  • De 2007 a 2013, o EIDHR apoiou 100 projetos.
  • No futuro, o EIDHR quer focar em temas específicos.
  • O EIDHR tem fundos de emergência para defensores de direitos humanos em risco e, principalmente, para quem precisa de proteção urgente, e pode liberar 10.000 euros para um caso. É fácil se candidatar e os pedidos são processados imediatamente.

Expansão do escopo

Apresentada por Elisabeth Dyvik.

Desde a última Assembleia Geral, em Estocolmo em 2012, o Centro de Administração vem verificando outras ONGs que trabalham com perseguição de artistas e liberdade de expressão. A Article 19 é uma delas.

 

ARTICLE 19 sobre a Perseguição de Artistas e Liberdade de Expressão

Por Oliver Spencer-Shrestha, Article 19.

A apresentação de Oliver Spencer-Shrestha pode ser encontrada como anexo a esta ata.

  • Oliver Spencer-Shrestha, da Article 19, deu exemplos de perseguição a artistas e liberdade de expressão artística, e falou do trabalho de organizações na defesa do direito de liberdade de expressão e liberdade de informação sempre que esta estiver ameaçada.
  • A Article 19 foi criada há 25 anos para trabalhar com liberdade de expressão. É agora a segunda geração de organização de defesa de direitos humanos (sendo a Anistia Internacional a primeira).
  • A organização adotou seu nome com base no Artigo 19 das Nações Unidas na Declaração dos Direitos Humanos na ONU.
  • Para o Artigo 19, a violação de liberdade de expressão é uma questão importante, independentemente de uma profissão específica. Quando fala de arte, incluem escritores.
  • Quase sempre é o Estado que interfere na expressão artística. O resultado dessa interferência em quase metade dos casos é apreensão, detenção e investigação.
  • Difícil enfrentar as violações contra mulheres, elas são diferentes e quase sempre físicas.

Comunicação

Plataformas digitais da ICORN

Por Cathrine Helland.

  • A ICORN precisa fortalecer a comunicação com todas as muito diferentes partes interessadas da organização, tanto interna quanto externamente à organização. No momento, estamos trabalhando para desenvolver novas plataformas digitais e lançaremos um novo site para a ICORN nos próximos meses.
  • A ICORN está trabalhando com muitos parceiros e financiadores; precisamos mostrar uma organização confiável e transparente durante o trabalho real que a ICORN, as cidades membros, os escritores convidados e os parceiros estão fazendo. E demonstrar que a ICORN está pronta para atender aos desafios de uma organização crescente.
  • A ICORN está desenvolvendo um banco de recursos no site visando às partes interessadas, que ajudarão as cidades, os escritores e parceiros em seu trabalho como e com escritores em risco.
  • Haverá mais informações para escritores convidados potenciais e atuais no site, e também para escritores que não podem se candidatar à ICORN, mas precisam de outras alternativas.
  • Haverá mais informações para cidades membros potenciais e existentes sobre como dirigir uma cidade de refúgio, como facilitar para os escritores convidados e muito mais.
  • As cidades têm a responsabilidade principal de promover seus escritores convidados e estão fazendo um ótimo trabalho em termos locais, nacionais e internacionais. A ICORN ajuda a facilitar a promoção na rede. O novo site funcionará como uma plataforma comum para o trabalho da rede e a promoção dos escritores convidados, e deve ajudar a alcançar um público e uma mídia mais amplos.
  • A ICORN recentemente deu um passo em direção ao mundo das mídias sociais, abrindo uma conta no Twitter. Convidamos todos a usá-la (@ICORN_ORG).
  • A ICORN lançará um informativo.
  • O site facilitará para o público, a mídia e internamente na organização a encontrar escritores para eventos específicos, comentários de especialistas e outras informações.
  • As cidades serão mais bem promovidas como cidades de refúgio com informações sobre a cidade, quais escritores estão sendo abrigados, eventos, cobertura na mídia, etc. Também será mais fácil para as cidades encontrar outras cidades para cooperarem com ela.
  • A ICORN depende de boas informações das cidades para ser capaz de melhorar a comunicação, tanto interna quanto externamente à organização; sobre mudanças na organização, eventos, cobertura na mídia e outras informações. A ICORN envia questionários e formulários de adesão para escritores convidados e cidades membros, o que facilitará para a ICORN não apenas fazer boas combinações entre cidades e escritores, mas também promover tanto as cidades quanto os escritores.
  • No futuro, desenvolverá um banco de dados/fórum interno para as cidades de refúgio e talvez para os escritores (precisa primeiro investigar necessidades e usos potenciais, bem como garantir financiamento).

 

Construção de capacidades e parcerias

Aspectos práticos da ICORN

Por Elisabeth Dyvik.

A apresentação de Elisabeth Dyvik pode ser encontrada como anexo a esta ata.

  • Expressou profunda gratidão em nome da ICORN pelo belo trabalho que as cidades estão fazendo. Eles sabem, sem dúvida, que a maior parte do trabalho que fazem está relacionado à ICORN, seu trabalho diário com os escritores.
  • Visão geral das estatísticas de candidaturas de escritores e de como a ICORN trabalha com parceiros e instituições políticas.
  • A ICORN está muito ciente de que há uma necessidade aguda de construção de mais capacidades para as cidades e nas cidades. Este é um compromisso importante incluído no novo plano estratégico para os próximos quatro anos. A ICORN já começou um trabalho extensivo com construção de capacidades da rede e depende de todo conhecimento e de todas as experiências que as cidades tenham para ser capaz de trabalhar mais extensiva e profissionalmente com lobby de governos e ministérios de relações exteriores para encontrar soluções para obtenção de vistos, residência e autorizações de viagem para escritores.
  • A ICORN também está trabalhando para desenvolver conhecimento e parcerias com organizações que possam ajudar os escritores a achar as melhores formas de ajudar os escritores antes e depois das colocações.
  • É importante observar que não é nosso objetivo fazer crescer a organização desnecessariamente, assumindo tarefas já feitas por outras pessoas. Em vez disso, muitas vezes é melhor cooperar com parceiros para achar as melhores soluções disponíveis para os escritores em suas situações reais, o que pode significar não necessariamente em todos os casos uma colocação pela ICORN.
  • Promoção: O Conselho da ICORN atualmente está trabalhando no restabelecimento de uma junta especializada de escritores que possa funcionar como abridores de portas para a rede e particularmente para os escritores.
  • Expandir o escopo da ICORN: As cidades vêm falando sobre incluir outros tipos de artistas, além de escritores. Isso pode ser útil ao combinar melhor as ofertas das cidades com o histórico profissional dos escritores.
  • Expansão da ICORN: A ICORN conta com poucos recursos no Centro de Administração. Para recrutar novas cidades e estar numa posição com recursos para aconselhar escritores e cidades sobre o que fazer, a administração precisa se expandir.
  • Se formos manter a ICORN, precisamos consolidar, expandir e aprender.

Comentários/perguntas:

Peter Ripken (ICORN/Frankfurt) abriu os comentários e declarou sua esperança de que o plano estratégico da ICORN para 2014-2018 seja implementado.

Jan Lothe Eriksen (SafeMuse): Congratulações ao novo plano estratégico. A SafeMuse é uma iniciativa em países nórdicos e comentará sobre a expansão de escopo: seria bom se a ICORN decidir ir em frente. Na última frase sobre o ponto de expansão de escopo no plano estratégico, além de fornecer uma avaliação de candidatura equivalente, há a necessidade de procedimentos de colocação relevantes. É necessário saber que tipo de músicos eles são e como eles combinam com a cidade. Músicos não ficam fechados sozinhos nos lugares, eles precisam de colegas. Desejamos o melhor para eles e estamos ansiosos para cooperar com a ICORN.

Anna Livion Ingvarsson (Gävle): Para nós, seria possível nos tornarmos membros, se recebermos um artista visual. Temos muitas possibilidades de apoiar um artista, vimos acompanhando o trabalho da ICORN há anos e estamos impressionados e esperançosos para que essa expansão seja aceita.

Fredrik Elg (Malmö): Houve um movimento na Escandinávia durante um tempo. Haverá cidades esperando na fila para aderir se a ICORN abrir para outros artistas. Malmö já está acrescentando artistas e músicos. Iriam saudar a iniciativa de expandir o escopo, é melhor fazer as duas coisas com a ICORN em vez de cooperar com as duas organizações nisso.

Foujan Rouzbeh (Estocolmo): Acho que é errado discutir isso sem os escritores presentes. Como os escritores podem ser mais incluídos no processo e nas decisões que a ICORN toma?

Helge Lunde: Comentário ao último comentário. É extremamente importante se certificar de que os escritores estejam sendo ouvidos. A ICORN tem um conselho consultivo que incluía escritores atuais e anteriores. Em 2010, a ICORN se tornou uma organização independente e agora é representada por um Conselho composto de cinco representantes de cinco cidades da ICORN. Também há representantes entre os escritores convidados, o PEN e o Stavanger Cultural Centre, com direito de falar, mas não de votar. Ter uma representação estável de escritores no Conselho é algo complexo. A ICORN é uma organização de longo prazo, mas também temporária, para que os novos escritores sejam representados no Conselho, ele(a) não conhecerá a organização e, no final do mandato, ele(a) não ficaria mais na cidade de refúgio. Mostrou-se muito difícil inclui-los no Conselho no mesmo nível das cidades membros.

Nikolaj Frank (Odensa): Gostaria de comentar sobre o parágrafo sobre financiamento: ele menciona todas as formas padrão de obter financiamento para a organização. Existem outras formas de obter financiamento básico? Outras cidades poderiam se tornar membros sem receber um escritor convidado? A ideia de aumentar o financiamento para custos básicos para a ICORN: as cidades no mundo todo pode achar interessante se tornar cidades membros e não necessariamente abrigar um escritor convidado. Assim, pode ser uma boa ideia buscar/recrutar cidades membros que ajudarão a aumentar o financiamento da organização com as taxas de associação. Cidades não receptoras não teriam que contribuir com o mesmo valor quanto as cidades receptoras. Elas seriam um tipo de “membros adormecidos”.

Helge Lunde: Comentários sobre o último comentário: no novo site, adicionaremos um botão de doações e alternativas para apoiar a rede.

Chris Gribble (Noruega/Membro do Conselho da ICORN): O Conselho está pensando na questão do financiamento básico. Quanto maior o número de cidades, maior a pressão sobre o pessoal da administração. Precisamos procurar outras formas de fazer levantamento de fundos. É importante que o financiamento fornecido não exija mais tempo do que o retorno em dinheiro.

Jörgen Lindvall (Jönkoping’s Iän): Com a expansão, mais pessoal é necessário. Não precisa mudar o texto do plano estratégico. Talvez todos os coordenadores nas cidades pudessem trabalhar para a administração, umas poucas semanas para o pessoal da administração?

Jasmina Rihar (Ljubljana/Conselho de Administração da ICORN): Sobre a comunicação: há a necessidade de mais informações atualizadas sobre os escritores no site da ICORN. Talvez seja uma boa ideia ligar para os escritores e coordenadores pelo menos uma vez por semana para saber notícias.

PLANO ESTRATÉGICO DA ICORN PARA 2014-2018 ACEITO PELA ASSEMBLEIA

Eleição dos Membros do Conselho e Eleição da Comissão

Por Raffaella Salierno (Barcelona/Membro da Comissão de Eleição)

  • A Comissão de Eleição queria discutir a proposta do Conselho de aumentar o Conselho de 5 para 6 membros. Se um ou mais membros não puderem participar de uma reunião, é difícil para o Conselho conseguir ter uma discussão adequada sobre as questões em pauta. A Carta da ICORN declara que o Conselho pode consistir de até 5-7 membros, portanto não é preciso fazer alterações.

EXTENSÃO DE 5 PARA 6 MEMBROS DO CONSELHO ACEITA PELA ASSEMBLEIA

  • Há duas vagas no Conselho da ICORN abertas a eleição, além do novo membro. Raffaella as apresentou:

Vice-Presidente: A atual Vice-Presidente Dagny Gevelt (Kristiansand) deseja se retirar. Depois de quatro anos de excelente trabalho, ela decidiu se afastar.

A Comissão de Eleição propôs um novo candidato para Vice-Presidente: Leikny Haga Indergaard (Bergen). Depois de acompanhar a ICORN desde o início, Leikny conhece bem a ICORN. Ela foi Diretora da Biblioteca e do Centro Cultural de Stavanger quando Stavanger recebeu Araz Elses como músico/escritor convidado. Atualmente, ela é Diretora da Biblioteca Pública de Bergen. A biblioteca gerencia o programa da ICORN em Bergen e abrigou 4 escritores convidados até agora. Leikny também é Presidente da Comissão de Bibliotecas Internacionais e membro do PEN norueguês.

Leikny agradeceu e aceitou a nomeação para o Conselho.

Membro do Conselho: O membro do Conselho Chris Gribble (Noruega) terminou seu mandato e gostaria de continuar. Chris é Diretor-Presidente do Writer’s Centre Norwich e fez um ótimo trabalho no Conselho da ICORN nos últimos quatro anos.

A Comissão de Eleição sugeriu que Chris concorresse para um novo mandato. Chris aceitou o convite para continuar no Conselho.

Novo Membro do Conselho: O Conselho propôs o nome de Danuta Glondys (Cracóvia) para o novo cargo como Membro do Conselho. Danuta foi muito útil em Cracóvia, se unindo à ICORN em 2011. Ao atuar como coordenadora dos escritores da ICORN, ela foi Diretora da Villa Decius Association desde 2001, é professora da Universidade de Cracóvia e tem vários anos de experiência como Diretora do Departamento Cultural do Município de Cracóvia.

Danuta agradeceu a nomeação e aceitou a nomeação para o Conselho.

Nenhum comentário ou oposição às propostas. A Assembleia concordou em não ter uma eleição por escrito.

TODOS OS TRÊS MEMBROS DO CONSELHO FORAM ACEITOS PARA O CONSELHO PELA ASSEMBLEIA GERAL

Comentários/questões:

Peter Ripken: Gostaria de fazer um agradecimento caloroso a Dagny Gevelt. Espero que ela fique conosco por muito tempo. Tem sido um privilégio e um prazer trabalhar com ela. Ela compartilha a visão da ICORN e tem dois talentos especiais de que eu me recordarei: um olho meticuloso para detalhes e números e está sempre alegre e sorridente.

Elisabeth Dyvik: Em nome do pessoal da ICORN, concordo com Peter, precisamos de pessoas que não percam de vista os detalhes do orçamento.

Dagny Gevelt (Kristiansand): Obrigada pelas palavras ternas. Kristiansand foi a segunda cidade na Noruega a aderir à rede em 1998. Fui Diretora de Assuntos Culturais em Kristiansand. Agora, vou me aposentar em julho e achei correto deixar meu cargo para alguém mais próximo da ação. Não quero ser lembrada pelos detalhes, mas pelo desenvolvimento. A visão é importante, apesar de o diabo ser encontrado com frequência nos detalhes, principalmente que você trabalha com políticos! É assim que o diabo trabalha.

Elisabeth Dyvik apresentou a nova comissão de eleição de 2014-2016 em nome do Conselho da ICORN:

Philippe Ollé Laprune (Cidade do México) quer se afastar.

Raffaella Salierno quer continuar.

Paul Henrik Kielland quer continuar.

Dagny Gevelt foi convidada a entrar para a comissão de eleição e aceitou.

Nenhum comentário e nenhuma contraproposta.

A NOVA COMISSÃO DE ELEIÇÃO FOI ACEITA PELA ASSEMBLEIA

Relatório de workshops de escritores

Por Noufel Bouzeboudja (Fanø/Argélia)

  • Em nome dos escritores, ele agradece à cidade de Ljubljana por serem tão bons anfitriões, principalmente os ajudantes locais e Jasmina.
  • No workshop com os escritores, eles falaram sobre questões referentes a publicação e tradução. Sobre a interconexão entre os escritores e mais colaboração entre eles, tanto em nível nacional quanto internacional. Interdisciplinaridade, cartunistas e escritores juntos. Os escritores querem assinar contratos com editoras no país de refúgio, como alguns fizeram com a editora Smokkadoll na Suécia.
  • O trabalho dos escritores é mais importante do que o fato de sermos escritores convidados da ICORN. Planejamento de organização de um workshop em Copenhagen durante quatro dias para fazer edições de autor em e-books etc.
  • Eles querem criar um arquivo digital para tornar os escritores da ICORN mais visíveis. Mille Rhode (PEN dinamarquês) ajudará a criar ou lançar um site para os escritores da ICORN, planejando organizar um workshop para ensinar os escritores da ICORN a fazerem publicações on-line.
  • Muitos escritores estão frustrados com o encerramento do projeto Shahrazad. Foi bom para promover o trabalho dos escritores. Eles mais do que saúdam uma nova alternativa.
  • Eles vêm conversando sobre estratégias de saída e a possibilidade de integração de trabalho no programa da ICORN. Foi sugerido que os escritores participem do próximo workshop realizado por Elisabeth e Fredrik Elg sobre estratégias de saída.
  • Hoje muitos escritores foram ao teatro e tiveram um piquenique muito agradável. Conversaram com escritores europeus e eslovenos e foram ao teatro assistir a uma performance.
  • O PEN catalão oferece um romance de Basem para falantes de árabe ou de catalão.

Comentários/questões:

Per Bergström (Malmö): Estimulo os escritores e os coordenadores das cidades a procurarem poemas/poetas na Internet, em www.lyrikline.org, criado para o festival de poesia em Berlim. Eles lançaram vários poetas para o 15 de novembro (Dia dos Escritores Presos do PEN) em língua original e traduções. A página da Internet é lida por milhares de pessoas todo dia e a China e o Iraque estão sempre tentando hackear a página. Em duas semanas, será realizada uma nova reunião e há uma sugestão de lançar os poetas da ICORN no dia dos escritores perseguidos.

Helge Lunde: Para Noufel: O que é o grupo do Google para escritores convidados e como eles estão se conectando?

Noufel Bouzebouja: O grupo do Google foi iniciado por Parvin Ardalan (Irã/Malmö) que foi o representante dos escritores convidados na época. Tentamos fazer contato e entrar em contato regularmente. Sempre que há qualquer notícia, tentamos contar uns aos outros. Esperamos que o novo site da ICORN nos ajude com um fórum para os escritores no futuro.

Cathrine Helland: Estamos considerando um fórum para os escritores no site, mas precisamos de recursos e tempo para isso ser realizado.

Michael Smith (África do Sul): Tive sorte de participar do workshop de escritores convidados em Town Hall e o workshop da Creative ICORN. Os escritores falaram muito sobre o desejo de serem traduzidos e publicados e uma chamada para coprodução. O Creative Europetem um programa de tradução que fornece boas possibilidades para os escritores. Há uma porta aberta para incluir países do terceiro mundo também. Suas vozes podem ser ouvidas por vários países.

Raffaella Salierno (Barcelona): O grupo no Google está aberto apenas para escritores convidados da ICORN atuais ou também antigos, e existem novos convidados? Há problemas com línguas?

Noufel Bouzeboudja: O grupo está aberto para escritores atuais e antigos. A língua é principalmente o inglês. Alguns escritores não querem fazer parte do grupo. Novos escritores precisam mandar seu e-mail para participar do grupo. É claro que novos escritores têm que ser informados sobre isso.

Philo Okonya (Quênia/Oslo): Estou tentando lidar com a independência na Europa. Os escritores viram a peça Damned be the Traitor no teatro hoje. É a humanidade nua e crua, é tão chocante que a gente fica tremendo e mexe com nossos próprios estereótipos. Foi uma experiência maravilhosa, se vocês tiverem a oportunidade de ver a peça, não percam. Gostaria de agradecer à senhora que se levantou, pela iniciativa de lembrar aqueles que não são ajudados. Alguns dos escritores africanos desejam dar uma resposta PANafricana à peça que viram porque nos enxergamos nela. Consegui vender três livros meus para outros escritores. Diga sim ao elefante e não ao marfim.

Peter Ripken: Aos escritores: As pessoas com frequência perguntam sobre como os escritores podem ser ouvidos pelo Conselho. Ter uma pessoa que seja um escritor atual como observador do Conselho é somente uma forma.

Noufel Bouzeboudja: No dia 31 de julho minha estada acaba e não sei para onde vou depois disso. Não fui eleito, mas fui ativo e engajado, aderindo ao espírito da ICORN. Precisamos de outra pessoa para me substituir como representante dos escritores no Conselho. Acho que vamos discutir isso com os outros escritores. Discutimos isso em Cracóvia, mas não surgiu nenhuma sugestão. Talvez no futuro a gente ache alguém.

Helge Lunde:

  • Palavra final: Obrigada a Larry e aos escritores convidados. Feliz, humilde e agradecida por todos que estiveram com a gente na Assembleia Geral aqui em Ljubljana, delegados, observadores, escritores convidados. Este ano, temos um número recorde de escritores convidados participando, 37, o que é ótimo. A noção de “espírito da ICORN” foi mencionada várias vezes. Não é uma coisa fácil de definir, mas gosto de como a expressão soa e espero que haja algo que possamos desenvolver no futuro. A arquitetura do pós-guerra do teatro hoje não é inspiradora, mas ficou mágica por causa da grande reunião de pessoas na peça e do público. O ambiente externo não é tão importante, mas sim o interno, o espírito da ICORN. Fiquem cientes e mantenham-se atualizados até a próxima reunião!
  • Sobre o novo item, Suécia: Não há fim para isso na Suécia. A Região de Västra Götaland anunciou na SVT em uma entrevista com o escritor/rapper convidado Khaled Harara que eles queriam dobrar o número de cidades de refúgio na Suécia. Parabéns às pessoas envolvidas na Suécia, isso significa muito para nós na ICORN.
  • Na Assembleia Geral e nas reuniões da Rede no futuro: As reuniões físicas são extremamente importantes, para conhecer as pessoas. Quem vai realizar a próxima reunião da rede em 2015? Quem vai realizar a próxima Assembleia Geral ou a reunião da rede em 2017? Por favor, considerem a possibilidade de a ICORN visitar sua cidade e candidatem-se como anfitriões desses eventos importantes! Enviaremos, provavelmente depois do verão, uma chamada para abrigar as reuniões.

Ronald Bos (PEN holandês/Amsterdã): Sou membro do PEN holandês e pessoa de contato tanto da Amsterdam Vluchtstadt quanto da ICORN. No momento, tenho vergonha de ser holandês por causa da política aos refugiados. Espero que isso mude após as eleições na Holanda hoje, quando o voto populista foi vencido.

Amsterdam foi Vluchtsdat desde que Salman Rushdie a fundou em 1997. Ela foi subsidiada por uma fundação literária. Masresha Mammo, jornalista e escritor da Etiópia, é nosso atual escritor convidado. Os escritores convidados que vêm para Amsterdã ficam no apartamento de Anne Frank, o último local onde a família dela viveu antes de ir para o subsolo.

A Cidade de Amsterdam e o Prefeito desejam saudar a ICORN e a WiPC para a realização da Reunião da Rede de 2015, em 23 de maio de 2015, em um fórum cultural flamengo. Apoiado pela Cidade de Amsterdã, a Fundação de Literatura e o centro flamengo para a cultura em Amsterdã. Teremos uma decisão em julho.

Peter Ripken:

  • Esta reunião tem sido, em grande parte, uma troca de ideias, um lugar onde podemos nos encontrar e discutir, e ter novos insights. Fazer networking é importante, pois é um ganho de conhecimento vindo de colegas, parceiros e organizações correlatas, como a Article 19 e a União Europeia. A Assembleia Geral é um mercado de ideias. Precisamos dessa forma de trabalhar juntos, para obter inspiração, ideias, encontrar pessoas e escritores diferentes, pessoas com agendas e dificuldades individuais diferentes.
  • Estamos expandindo o escopo de nosso trabalho tradicional. Temos uma longa lista de pessoas esperando colocação. Procuramos a liberdade de expressão em todas as formas de arte. Depois de um debate polêmico, decidimos fazer uma tentativa, que vai ser avaliada continuamente. Em 2018, teremos, antes da Assembleia Geral, uma avaliação séria do período de experiência da expansão do escopo. Parte da estratégia da ICORN é encontrar aliados e parceiros. Isso é o que prometemos e o que nossos membros decidiram.
  • Estou convencido que outras pessoas têm outros aspectos da assembleia para enfatizar, esta foi a minha opinião.
  • Agradecimentos: Artista especial da hospitalidade, Jasmina Rihar. Não apenas Membro do Conselho, mas também uma grande organizadora. Isso não pode ser feito sem uma equipe, e ela tem uma boa equipe. Gostaria de agradecer aos ajudantes locais, que nos guiaram pelo centro. E também aos técnicos discretos. Foi tudo muito tranquilo. Agradeço aos palestrantes Uros Korencan (Diretor do Teatro de Bonecos, a sede), Marjan Strojan (Presidente do PEN esloveno) e Tjasa Ficko (Vice-Prefeito de Ljubljana) e o Mladinsko Theatre. Obrigado ao staff da ICORN e a Larry Siems.

Jan Lothe Eriksen (SafeMuse): Desejou boa sorte na área musical. Ele tocou uma composição curta da música tradicional norueguesa da região sudoeste, sobre ovelhas sendo caçadas por uma raposa.

Per Bergström (Malmö): Agradeço a todos, principalmente aos escritores convidados da ICORN por me tornarem uma pessoa melhor. Lerei um poema chamado Herrings do poeta esloveno Srecko Kosovel.

Galina Jalal (tradutora de Suhael Sami Nader, Iraque/Copenhagen): Temo pelo fim da residência de Sami Nader no final de outubro, tenho medo de não ver vocês de novo. O futuro dele é incerto. Iraque não é um país seguro. Não posso nem pensar no que pode acontecer se Sami Nader e sua esposa tiverem que deixar Copenhagen e forem morar numa parte do mundo em que as pessoas estão se matando umas às outras. Foi tão enriquecedor para mim participar dessa Assembleia Geral e da Reunião da Rede na Cracóvia, para conhecer sua história, seu trabalho e pelo que estão lutando, e a todos vocês pela força impulsionadora. Obrigada a Jasmina e às meninas. Nós, em nome de Sami e sua esposa, lhes agradecemos. Obrigada à Eslovênia e à Ljubljana e ao trabalho maravilhoso no teatro. Espero que possamos nos ver de novo, boa sorte a todos.

Khaled Harara (Palestina/Gothenburg): A oportunidade que tive na ICORN se deveu a todas as pessoas boas em Gothenburg, agradecer não é o bastante. Não me esqueço das minhas raízes, mas aprendi aqui que existe uma família em todos vocês. Esses dois anos são o início do resto da minha vida.

Larry Siems (Presidente da Assembleia/Escritor): Gostaria de agradecer-lhes pela oportunidade de participar da assembleia e expresso meus agradecimentos.

Palestra de Ragip Zarakolu (Turquei/Sigtuna):

A Assembleia Geral terminou com uma fala de Ragip Zarakolu, proeminente escritor e editor turco e, no momento, escritor convidado em Sigtuna. Sua palestra intitulada “Minha luta: uma vida como combatente pela liberdade de expressão na Turquia” é a estória de um homem, dentro e fora dos tribunais e prisões na Turquia por mais de 40 vezes, que passou a vida toda lutando pelos escritores turcos e pelos direitos das minorias de escrever e publicar.

Evento noturno

Depois de um jantar de encerramento no Slon Hotel, seguiu-se um evento literário, Ljubljana River Poetry. O público foi levado para passear ao longo das margens do Rio Ljublanica, escutando leituras de poesia feita pelos escritores convidados da ICORN, poetas eslovenos e internacionais que estavam num barco passando ao longo das margens de Makalonca e New Square.

A noite foi concluída com performances cheias de gente no festival Overfligt. To the Bridge, um belo encerramento feito pelo primeiro rapper convidado da ICORN, Khaled Harara, abrigado na Cidade de Refúgio de Gothenburg, e um convite para pegar no microfone a escritores convidados e outras personalidades culturais deu ao público um gostinho da criatividade deles.

II

Lista de Cidades Membros e delegados

CIDADE Delegado na Assembleia Geral
Amsterdam Ronald Bos
Barcelona Raffaella Salierno
Bergen Leikny Haga Indegaard
Bruxelas Sirid Bousset
Tore Håndstad
Chiusi Susanna Guidotti
Copenhagen Galina Jala
Drøbak Egil Lothe
Fanø Não compareceu
Frankfurt Peter Ripen
Girona Carlota Sas Ortiz
Gothenburg Margareta Rossing
Hanover Katrin Dittmer
Haugesund Não compareceu
Jönköping Jötgen Lindvall
Cracóvia Danuta Glondys
Kristiansand Anne Kristin Undlien
Lillehammer Øivind Pettersen
Ljubljana Jasmina Rihar
Malmö Per Bergström
Cidade do México Phillipe Ollé Laprune
Molde Jan Olav Szon theimer
Noruega Chris Gribble
Odense Nikolai Frank
Oslo Sylvie Linge Hermansson
Paris Sophie Boule
Reykjavik Não compareceu
Sigtuna Monica Dahlgren
Skellefteå Não compareceu
Sien Liv Greve
Skåne Não compareceu
Stavanger Hilde Karlsen
Estocolmo Foujan Rouzbeh
Tromsø Paul Henrik Kielland
Trondheim Adria Scharmen
Toscana Susanne Gouidotti
Uppsala Wirginia Bogatic
Århus Não compareceu

 

Lista de anexos (disponíveis no Centro de Administração da ICORN)

  1. Pauta
  2. Relatório da Comissão de Escritores na Prisão no PEN Internacional (WiPC)
  3. Apresentação feita por Cathy McCann (Pesquisadora, Comissão de Escritores na Prisão do PEN Internacional da Ásia/Oriente Médio)
  4. Relatório da ICORN de 2012-2013
  5. Apresentação de Fredrik Elg para o workshop: estratégias de saída, novos começos
  6. Apresentação de Mary-Ann DeVlieg para o workshop: Artes da hospitalidade
  7. Apresentação para o workshop: Creative ICORN
  8. Plano Estratégico da ICORN de 2014-2018
  9. Apresentação por Sophie Kammerer (EIDHR)
  10. Apresentação por Oliver Spencer-Shrestha, Article 19: Perseguição de Artistas e Liberdade de Expressão
  11. Apresentação de Elisabeth Dyvik: “Aspectos práticos da ICORN”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios