Fui forçado a deixar minha cidade natal

SameerSayegh1Domen_Jan


Então fui embora com nada,
Continuei andando sem rumo,
Olhando para o horizonte,
Dizendo à minha alma desesperada:
‘Você teve uma casa que o abrigou,
e uma vida.
Agora tudo se foi,
você está perdido,
nenhum lar,
nenhum refúgio
nada.’  

Mas então tive um vislumbre no mesmo horizonte,
E vi uma terra generosa, abençoada, maravilhosa e amável
Apontando para mim como se estivesse me convidando, sussurrando:
‘Sameer você nunca deve se preocupar!
Porque sou a Eslovênia, sua nova cidade natal! ‘
Por isso, muito obrigado, Eslovênia,
Muito obrigado, Ljubljana.
Lepa hvala, Slovenija.
Lepa hvala, Ljubljana.”

Sameer Abdullah Sayegh é poeta, jornalista e tradutor iraquiano, atualmente hospedado na cidade-refúgio de Ljubljana (Eslovênia). Este poema foi escrito por ele após a chegada em Ljubljana, em fevereiro de 2016.

 

 

CABRA: Por que você teve que deixar seu país?

Deixei meu país, Iraque, e minha cidade natal, Mosul, para escapar da morte.

CABRA: O que você está fazendo na cidade-refúgio que o acolheu?
Minha cidade de acolhimento é Ljubljana. Estou principalmente escrevendo poesia, participando de eventos culturais e atividades, na cidade e em outras cidades eslovenas, como Bled, Ptuj, etc.

CABRA: Qual a importância da ICORN para você?
Creio que a ICORN é importante porque salva as mentes de perecerem, ao serem dirigidas pelos ignorantes chamados de seres humanos, onde mesmo um leão é mais misericordioso do que aquelas criaturas que têm cartões de identidade e aparência de seres humanos, mas que estão muito longe de serem assim.

CABRA: O que você vai fazer depois da residência da ICORN?
Agora, ainda não sei. Definitivamente, vou tentar continuar a minha doutrina. Sou realmente muito grato à cidade de Ljubljana, cada vez mais.

 

Biografia
Sameer Sayegh é poeta, jornalista e tradutor iraquiano. Nasceu em 1949 e possui Bacharelado em Inglês e em Literatura, pela Faculdade de Letras da Universidade Mustansiriya, em Bagdá, no Iraque. Sayegh trabalhou como tradutor na Força Aérea, por um ano, em serviço obrigatório, como tradutor, para o Crescente Vermelho Iraquiano, como intérprete simultâneo, para o chefe da Cruz Vermelha Alemã, em Mosul, e para especialistas e palestrantes da Suíça, Alemanha, Noruega, e Itália, além de ter feito cobertura das atividades do Crescent.

Como poeta e tradutor, Sameer Sayegh traduziu poesia do inglês para o árabe, publicou em vários suportes, e escreveu e publicou um conto em inglês. Publicou seu primeiro poema, “A Virgem e o Horizonte”, em 1972. Em julho de 2013, uma de suas coleções de poemas, The Wanderer, foi publicada no Reino Unido. Seu nome faz parte da maior enciclopédia dos poetas iraquianos.

É membro do sindicato dos escritores, tradutores e jornalistas, no Iraque. Alguns de seus escritos sobre assuntos literários foram publicados no jornal “Thaqafat”, de Bagdá. Em 1991, Sayegh começou a trabalhar para o jornal “Al-Jumhuriya” (República), de Bagdá, como seu correspondente cultural, em Mosul. Até recentemente, trabalhou para o jornal internacional “Azzaman”, impresso em Londres, Bagdá e Beirute.

 

18/04/2017

Download a entrevista original em inglês

 

Anúncios